CM Tecnologia / Jornada do Paciente  / Base de dados: o que é e como funciona no setor da saúde
base de dados

Base de dados: o que é e como funciona no setor da saúde

Recorrer a ferramentas tecnológicas na gestão hospitalar é uma ótima estratégia para as instituições que pretendem se destacar no mercado da saúde. Um sistema de base de dados, por exemplo, é indispensável para um gerenciamento eficiente das operações. Com ele, é possível manter organizados os registros de colaboradores, folhas de pagamentos, contabilidade, gestão de projetos, inventários e muitas outras informações.

Esta ferramenta também auxilia a entidade a conhecer e manter contato com seus pacientes, pois, com as informações de contato dos pacientes atualizadas e organizadas no banco de dados, o relacionamento entre instituição-usuário será mais direta e contínua.

Ao longo do post, vamos apresentar a necessidade deste recurso para o setor da saúde e como utilizá-lo. Confira!

Quando surgiu a base de dados?

A base de dados é um conjunto de arquivos organizados para criar algum sentido e facilitar buscas e pesquisas, como uma lista telefônica. Com o avanço da tecnologia, em meados do século XX, estas informações passaram a ser armazenadas em softwares.

Nesta época, constatou-se um crescimento significativo das instituições, o que consequentemente provocou um aumento dos dados utilizados por elas. Acompanhando esta evolução, os computadores tornaram-se o principal suporte acessível na época.

Dessa forma, inicialmente surgiram os chamados Sistemas de Ficheiros – armazenamento de dados em massa feito em discos magnéticos – e posteriormente os Sistemas de Bases de Dados.

Qual a importância deste recurso para os hospitais?

As organizações de saúde necessitam de um constante aperfeiçoamento para se manterem como referência para os pacientes. Por isso, acompanhar a evolução do mercado e aderir às novas tecnologias demonstra que sua instituição se preocupa com a segurança e bem-estar dos usuários. Afinal, quando se tem uma boa base de dados, até o atendimento do paciente é diferenciado, pois as pessoas percebem que os processos da organização estão estruturados.

Ao investir na base de dados, todos os indivíduos que utilizam seu serviço serão beneficiados, além do fato de que este é um mecanismo que pode ser acessado gratuitamente e em qualquer lugar.

Como manter a qualidade de um volume alto de informação?

Hoje, as entidades produzem mais informações, e esse volume cresce de forma exponencial, principalmente devido à redução de preço das tecnologias para armazenamento.

Sendo assim, não basta somente juntar informações sobre o negócio e guardá-las de qualquer forma, sem planejamento. Para obter o tão desejado diferencial competitivo que o mercado exige, é importante que as bases de dados da empresa sejam devidamente estruturadas, apresentando informações relevantes.

Quais as principais bases de dados em saúde?

No mercado tecnológico, há inúmeros dispositivos para auxiliar a administração de informações. Explicamos, aqui, o funcionamento de 3 em especial:

Relational Database (bancos de dados relacionais)

Bancos de dados relacionais são considerados um dos tipos mais simples de depósitos, pois trabalham com dados estruturados. Esta ferramenta consiste em tabelas compostas por linhas e colunas relacionáveis entre si.

Formalmente, no modelo relacional as tabelas são chamadas “relação”; as linhas, “tupla”; e as colunas, “atributo”. Este modelo foi o primeiro descrito em 1970 pelo cientista Edgar F. Codd e aprimorado nas décadas seguintes.

A linguagem usada para lidar com o Relational Database é a SQL, ou seja, linguagem de consulta estruturada.

NoSQL database (Non-relational database ou bancos de dados não-relacionais)

Assim como a Relational Database, o NoSQL també existe desde a década de 1970, mas se popularizou nos anos 2000 com as necessidades da Web 2.0.

O NoSQL não oferece a chamada ACID (acrônimo para atomicidade, consistência, isolamento e durabilidade), imprescindível em sistemas de bancos de dados relacionais. Por outro lado, tem a vantagem de oferecer escalabilidade horizontal (scale out), que significa a capacidade de aguentar mais carga distribuindo-a em servidores diferentes.

NewSQL

O NewSQL é uma repaginação das bases de dados relacionais. A intenção dele é ter a mesma performance do NoSQL, com uma escalabilidade horizontal, porém mantendo a garantia ACID e a linguagem SQL.

Atualmente é considerado o melhor do mundo, mas ainda precisa aumentar sua popularidade.

Quais os requisitos fundamentais da base de dados?

Ao escolher um instrumento de gestão, alguns aspectos devem ser considerados, visto que o dispositivo escolhido por sua instituição precisa ser confiável, atualizado e completo.

Veja alguns requisitos que precisam ser analisados ao adotar uma solução para sua entidade:

Segurança

Segurança necessita ser a característica mais importante quando se fala em controle de bases de dados. Principalmente porque garantir a confidencialidade informacional em uma organização de saúde é primordial.

Além do mais, é indispensável pensar em recursos que possuem maneiras de recuperação dos dados em caso de desastres. Opções para backup periódico e recuperação das informações é um item de extrema importância.

Disponibilidade

Nada adianta arquivar informações se elas não estiverem disponíveis sempre que solicitadas. Desse modo, é essencial que sua ferramenta de gerenciamento permita o acesso rápido e a qualquer momento.

Seu hospital também deve ter a possibilidade de emitir relatórios gerenciais e de desempenho sempre que desejar. Esta característica permite à equipe atuar junto aos pacientes, buscando dados e oferecendo soluções rápidas.

Confiabilidade

Escolha um mecanismo que possua um sistema de monitoramento e evite a gravação de informações inconsistentes.

Informações incorretas podem causar prejuízos significativos na organização. Estes danos, quando mal aplicados, podem afetar tanto os colaboradores internamente como a reputação do hospital no mercado.

Como usar a base de dados de forma eficiente?

Além dos dados corporativos armazenados nas bases da entidade, hoje, também é possível obter informações em tempo real sobre os usuários e o mercado. Isso acontece por meio do monitoramento de redes sociais e do uso de dispositivos móveis, cada vez mais integrados ao cotidiano das pessoas.

Ao pensar em soluções de base de dados para sua organização, considere também meios de gerenciamento (como Big Data) e de análise e processos (Analytics).

Como aumentar a confiança na tomada de decisão?

Seja em uma pequena clínica ou um grande consultório, a base de dados é um ponto-chave, visto que sem os dados os diretores não têm informações para tomadas de decisão. Por esse motivo, o profissional de tecnologia da informação precisa dominar inovações como as apresentadas ao longo deste artigo.

Conhecer as ferramentas e os processos internos de outras instituições de saúde é o primeiro passo para escolher qual sistema de base de dados implementar em sua instituição. Afinal de contas, se basear em casos de sucesso é uma maneira inteligente de fazer com que sua entidade alcance um sucesso duradouro.

 

Sem comentários
Postar um comentário